Aba

terça-feira, 26 de junho de 2018

Minicérebros de parente extinto dos humanos é desenvolvido em laboratório


Cientistas uniram o conhecimento e a tecnologia de três campos – o DNA antigo, a edição de DNA e a produção de organóides derivados de células-tronco – para desenvolver minicérebros que contém genes da espécie Homo neanderthalensis, o parente mais próximo do ser humano.

Segundo os pesquisadores, minicérebros que imitam algumas regiões do cérebro humano podem ser criados em laboratório a partir de células-tronco originadas de um ser humano sem defeitos genéticos relacionados a distúrbios neurológicos. Estas células-tronco podem ser manipuladas para que genes humanos específicos sejam substituídos por uma versão neandertal. Assim, um minicérebro neandertal pode ser desenvolvido.

Desenvolvimento de minicérebros. Células da pele de um de um indivíduo são isoladas e transformadas para adquirirem a capacidade de se diferenciarem em vários tipos celulares diferentes (células-tronco pluripotentes). Estas células-tronco podem ser estimuladas a se diferenciarem em células neuronais e formarem e um minicérebro humano (A). Por outro lado, elas podem ter seu genoma editado de maneira que genes humanos sejam substituídos por genes neandertais e, após isso, elas podem se diferenciadas em para fomar um minicérebro neandertal (B).

Após meses de cultivo das células-tronco, até elas se diferenciarem em células neuronais e se organizarem como organóides, algumas diferenças podem ser observadas entre os minicérebros humano e o neadertal. Enquanto que o minicérebro humano é esférico, o neadertal possui forma de “pipoca”. Além disso, as células neuronais humanas possuem mais conexões sinápticas que as neandertais.

Minicérebros humanos (esquerda) e neandertais (direita). Observe a diferença na forma entre ambos. Fonte: http://science.sciencemag.org/content/360/6395/1284


Apesar de se mostrar bastante promissora, esta abordagem de estudo ainda está longe de conseguir desenvolver um cérebro humano ou neandertal completo que represente toda a sua complexidade. Porém, é um grande avanço que atinge áreas como a neurociência e a evolução humana.


Para saber mais:
http://science.sciencemag.org/content/360/6395/1284
https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/noticia/2018/06/cientistas-desenvolvem-cerebros-de-neandertais-em-laboratorio.html
https://universoracionalista.org/cientistas-cultivam-mini-cerebros-usando-dna-neandertal/

Sobre o Autor: Adauto Lima Cardoso é biólogo, mestre e doutor em Genética pela Universidade Federal do Pará e pela Universidade Estadual Paulista, respectivamente. Atualmente realiza pós-doutorado no Departamento de Morfologia do Instituto de Biociências da UNESP.

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seja um colaborador!

Postagens populares

Total de visualizações

Seguidores

Tecnologia do Blogger.