Aba

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Galáxia longe da nossa dá dica das primeiras estrelas do universo


As primeiras estrelas do universo podem ter sido formadas há 250 milhões de anos após o big bang, centenas de milhões de anos antes do que se acreditava anteriormente, de acordo com um estudo publicado na Nature no último dia 16.

A descoberta aconteceu graças às observações de uma galáxia antiga conhecida como MACS1149-JD1 que foi detectada em 2012. Entre 2016 e 2017 ela foi novamente observada através do ALMA (um conjunto de 64 telescópios localizados no Chile) para medir a frequência de um dos picos no espectro de emissão de gases de oxigênio. Quando essa luz foi produzida em MACS1149-JD1 ela estava no espectro do infravermelho, porém, na sua longa caminhada de bilhões de anos até a Terra, a própria expansão do universo expandiu esse espectro para uma frequência de micro-ondas, possibilitando ao ALMA “enxergá-lo”. A medida da mudança dessas frequências que revela que a luz que recebemos aqui hoje em dia saiu de MACS1149-JD1 há 13,3 bilhões de anos atrás, quando o universo ainda era apenas uma criança de 550 milhões de anos.

Imagem gerada pela ALMA da galáxia descrita no estudo

Algo importante de ser notado é que não foi produzido oxigênio no big bang, apenas hidrogênio que estava presente nessa época. Sabendo disso, é possível teorizar que apenas quando as primeiras estrelas de hidrogênio explodiram, depois de muitas reações de fusão nucleares, é que o oxigênio produzido em seus núcleos foi espalhado por todo o espaço.

Para a MACS1149-JD1 conter tanto oxigênio, muitas de suas estrelas já devem ter passado por todo o seu ciclo de vida. Assim, os pesquisadores utilizaram observações do Hubble e do Spitzer (dois telescópios espaciais) para entender a formação de estrelas e, com isso, concluíram que todos os eventos que deram origem à MACS1149-JD1 começaram há pelo menos 300 milhões de anos antes.
Essa descoberta gera alguns problemas para astrônomos pois existem outras evidências que apontam para um começo mais tardio das primeiras estrelas. Se a MACS1149-JD1 é um ponto fora da curva ou não, só o tempo dirá.

Quer saber mais?

Inglês: 

Português:
http://www.eso.org/public/brazil/teles-instr/alma/ (artigo sobre o ALMA, citada na matéria)





Por: Lucas Farinazzo Marques
kim_farinazzo@hotmail.com
Sobre o autor: Biólogo pela Universidade Federal de Juiz de Fora, e atualmente trabalha com Bioinformática.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seja um colaborador!

Postagens populares

Total de visualizações

Seguidores

Tecnologia do Blogger.