Aba

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

Quando o cansaço requer muito mais que sombra e água fresca


Por:
João Zamae 
 joaozamae@gmail.com
Recentemente, a BBC americana publicou uma reportagem cujo título é “ Por que estamos todos tão cansados?” na qual ressalta como é generalizada nos adultos trabalhadores uma sensação de inércia mental e física que permeiam todo o cotidiano dificultando tarefas que antes eram simples, e principalmente o foco – e rendimento- no trabalho.

Exaustion, A History (ainda sem traduação para o português) no qual ela relata a visão ao longo da história dos médicos e filósofos a cerca dos limites da mente humana, do corpo e da energia de que dispomos. E no decorrer do livro um dos conceitos abordados é o do burnout .


O burnout refere-se a uma reação psicológica ao estresse crônico em virtude da carga de trabalho diária, manifestando sintomas de exaustão, cinismo e eficácia profissional diminuída. Não obstante, esse quadro a longo prazo predispõe os acometidos à doenças coronárias, diabetes tipo 2, infecções, dores musculoesqueléticas e sintomas depressivos diversos.

Segundo o levantamento histórico do livro de Schaffner, nunca houve cura para esse mal. No passado os pacientes eram orientados a descansar na cama, mas o tédio acabava aumentando seu sofrimento. Hoje as pessoas que sofrem de burnout podem receber terapia cognitivo comportamental (TCC) para ajudá-las a lidar com a exaustão emocional, entretanto, sem resultados positivos garantidos.

O assunto é tão relevante que somente no ano de 2017 foram publicados vinte e quatro mil estudos abordando o tema burnout, dentre os quais vale a pena destacar o trabalho realizado por três pesquisadores da Finlândia cujo foco é avaliar a eficácia dos tratamentos proposto para os quadros instalados de burnout.

Foram revisados 4430 estudos, os quais relatam 18 intervenções, sendo o procedimento mais comumente utilizado a TCC, e outros menos frequentes, como workshops, focados no desenvolvimento de habilidades no ambiente de trabalho, meditação, atividade física, um programa grupal de saúde relacionada ao estresse, entre outros.

Infelizmente, os resultados evidenciam que é impossível elaborar diretrizes sobre como tratar o burnout. Algumas intervenções mostraram sucesso na diminuição dos sintomas de burnout ou aumentando o retorno ao trabalho, enquanto outros não encontraram efeitos significativos. Só podemos concluir que uma intervenção focada individualmente não foi confiável. Estudos anteriores sobre o estresse e a prevenção do burnout mostraram resultados promissores quando terapias individuais e atividades focadas no trabalho foram combinadas.

Há o argumento de que nossos cérebros não são hábeis em lidar com o ambiente moderno de trabalho no qual a ênfase crescente em produtividade e a necessidade de estabilidade emocional deixam os trabalhadores em um estado permanente de "bater ou correr",estado para lidar com situações de perigo extremo e passageiro, mas se enfrentamos esse tipo de situação dia sim, dia não, encaramos um pico constante de hormônios do estresse com o qual nosso corpo não pode lidar.

E mais: para muitos, essa pressão não acaba no trabalho. Cidades (e dispositivos tecnológicos) estão sempre pulsando com vida, e essa cultura de "24 horas no ar" pode dificultar o ato de descansar a qualquer hora do dia ou da noite. Sem chances de recarregar nossos corpos e mentes, nossas baterias estão funcionando sempre em níveis perigosamente baixos. Sendo assim, meios de reestabelecer essa energia são essenciais, a depender de cada indivíduo - alguns podem precisar de estímulos como esportes radicais, enquanto outras podem preferir ler um livro. "O importante é delimitar as fronteiras entre trabalho e lazer", diz ela. "Tais fronteiras certamente estão sob ameaça."

Sobre o autor: Médico veterinário, especialista em oncologia animal, cursou residência e mestrado em patologia animal pela FMVZ-UNESP de Botucatu e atualmente é doutorando em oncologia pelo Programa de Patologia da FMB-UNESP de Botucatu, e membro do grupo ViriCan, onde investiga o uso de produtos naturais no tratamento dos cânceres.

Figuras originais retiradas de:
https://www.amazon.com.br/Exhaustion-History-Anna-K-Schaffner/dp/0231172303
https://revistadeciframe.files.wordpress.com/2011/02/burnout.jpg
http://www.ojornalzinho.com.br/wp-content/uploads/2017/09/421106552546296.jpg
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seja um colaborador!

Postagens populares

Total de visualizações

Seguidores

Tecnologia do Blogger.