Aba

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Desvendando a Taxonomia




Por:
Alejandra Viviescas 
 mariale88@gmail.com
A classificação dos seres vivos provavelmente começou na pré-história e nos acompanha até hoje. A área da biologia que estuda a classificação dos organismos é chamada de taxonomia. É uma área inconstante, que se modifica com o tempo, de acordo com as novas informações sobre os seres vivos. Mas, no final, não é mais do que um sistema de classificação.

A taxonomia existe oficialmente como uma área da biologia desde o século XVIII, quando o botânico Carlos Lineu propôs um sistema para ajudar na classificação da enorme biodiversidade do nosso planeta. Provavelmente, todos nós já usamos alguma vez o sistema proposto por Lineu, ele divide tudo que encontramos na natureza em 3 reinos: animal, mineral e vegetal. A partir desses 3 reinos, grupos menores são formados, compartilhando mais e mais características, até chegar na divisão espécie, que é a unidade básica do sistema taxonômico.

A figura abaixo ilustra as categorias do sistema criado por Lineu.
Fig 1. Categorias da classificação dos organismos propostas por Lineu
O sistema de Lineu foi aceito durante muito tempo e é conhecido até os dias de hoje, por ser muito intuitivo. Porém, vários aspectos dentro dele têm sido reavaliados com o tempo. Por exemplo, O reino mineral, não faz mais parta da classificação, pois ele está composto por rochas e não por organismos vivos. Hoje em dia, também sabemos que uma grande parte dos seres vivos está composta por microrganismos, que não estavam presentes no sistema de Lineu.

No entanto, o sistema hierárquico e as categorias propostas por Lineu são mantidas até hoje, apenas com a adição da categoria domínio, que considera as células procariotas em sua classificação. A figura abaixo ilustra quais são os domínios da vida e os reinos dentro do domínio Eukarya, ao qual os humanos pertencem.
Figura 2. Os três domínios da vida e os reinos dentro do domínio Eukarya.
Graças à Teoria da Evolução proposta pelo Charles Darwin em 1859, hoje sabemos que, provavelmente, todas as formas de vida do planeta derivaram de um único ancestral comum que, com o tempo, acumulou diferenças, formando novos grupos distintos. Ou seja, há um parentesco entre todos os seres vivos.

A taxonomia moderna tenta estabelecer estes parentescos entre os seres vivos, organizando segundo suas semelhanças. Para isso são utilizadas várias técnicas, como as comparações morfológicas e sequenciamento de genes.

Tudo isso pode parecer complexo, mas afinal, descobrir o parentesco entre espécies não é tão diferente de achar o parentesco entre nossas famílias.

Para entender melhor, podemos comparar a Árvore Filogenética, que representa as relações evolutivas entre grupos biológicos que tenham um ancestral comum, com a Árvore Genealógica, que representa o histórico de certa parte dos antepassados de um indivíduo ou família. Um exemplo desete tipo de comparação é mostrado na figura abaixo:
Figura 3. Comparação entre árvore genealógica e árvores filogenética
Achar o parentesco entre os diferentes organismos permite entender nossa história evolutiva, o que tem várias aplicações em diferentes áreas das ciências.

Sobre a autora: Bióloga e mestre em biologia pela Universidade Nacional da Colômbia, estudante de Doutorado em Ciências Biológicas (Genética) pela UNESP-Botucatu. Editora desta página de divulgação científica.
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário

Seja um colaborador!

Postagens populares

Total de visualizações

Seguidores

Tecnologia do Blogger.